APDESPbr - O CANAL DA PRÓTESE ODONTOLÓGICA BRASILEIRA

A luz teórica que guia a prática para a excelência na odontologia (e na vida)

Olá queridos colegas, alunos, amigos, nossos votos para que tudo esteja bem! Falaremos sobre a carreira do técnico em prótese dentária (protético), seja você ainda em formação, recém ou não tão recém formado. Ou vocês, experientes amigos de bancada, heróis auto-didatas das escolas de prótese da vida.

Sou Fausto Horiguti, CD (cirurgião-dentista), especialista em Ortodontia, Ortopedia Funcional dos Maxilares (OFM), Mestre em Implantodontia, Diretor APDESPBR e … bom, percebi que sou TPD antes de ser dentista. Pois acompanhava meu (saudoso) pai, cirurgião-dentista raiz pela USP nas próprias montagens e acrilizações desde que era criança. Eu tinha então 12 anos de idade e acompanhava sempre que podia aquela fascinante mescla de técnica e arte, que me deixava cada vez mais curioso, buscando todos os detalhes.

 

O fascinante universo da odontologia

Gesso e complexas fases resultando em modelos de precisão com troqueis alveolares (Geller) eficientemente funcionais. Estruturas em cera ou resina do tipo pattern (resina autopolimerizável premium, de baixíssima contração e alta precisão) incluídas em muflas ou anéis com gesso ou revestimento, e então derretidas ou calcinadas. E depois preenchidos os espaços por RAAT (Resina Acrílica Ativada Termicamente) prensada e polimerizada em água fervente na prótese total, prótese removível, nos dentes provisórios, na placa de mordida.  Ou metal fluido incandescente injetado em núcleos e estruturas de próteses fixas, coroas veneer, in-lays, on-lays com ligas de baixa fusão, e copings em ligas de alta fusão (ni-cr) recobertas depois por porcelanas odontológicas em pó (felsdpáticas ou sintéticas) com diferentes características ópticas habilmente aglutinadas e modeladas, copiando a anatomia dental. E então sinterizadas (“queimadas”) em forno de cerâmica a vácuo (usado claro, completamente manual, era o primeiro, mas não importava, aquilo era mágico do mesmo jeito) e resultava do rubro um lindo dente cerâmico.

Era e é fascinante até hoje, é atemporal. Então, é claro, segui odontologia por formação, sendo minha alma matter (professor Argüello) a Universidade Camilo Castelo Branco. E a vida me deu a oportunidade de aprender a arte odontológica por completo.

Um dentista reabilitador – a missão

Infelizmente um câncer de estômago levou meu pai cedo, três anos após me formar. Mas segui minha vida, herdei seus equipamentos de laboratório de prótese e consultório odontológico e parti para o atendimento clínico para sobreviver. Porém, o fascínio continuava lá: executar o tratamento completo até a prótese. Para atingir este objetivo comecei a fazer cursos – OFM, Ortodontia, depois outro e mais outro e não parei mais de estudar. No  momento certo vieram as especializações nestas áreas e depois a implantodontia – importante mudança de paradigma para reabilitar perdas dentárias de meus pacientes preservando os demais dentes. Além de oferecer outra opção às próteses parciais removíveis (PPR’s). E quanto mais aprimorava a formação mais percebia a necessidade de compreender todas as fases do processo. Inclusive a prótese técnica, de enorme importância para o resultado clínico final, pois quanto mais reparadora/reabilitadora for a terapêutica, mais reverso precisa ser o planejamento, ou seja, mais protético-cirúrgico, com o projeto da prótese final guiando as etapas
cirúrgicas.

Construo hoje todos os meus dispositivos ortodônticos, fixos e removíveis (arcos fixos inclusive, graças a professores raízes que pude ter na Ortodontia). Aparelhos ortopédicos funcionais completamente personalizados e individualizados para cada momento, de cada paciente. Fases de enceramento e acrilização em próteses removíveis e as próteses fixas. Peças unitárias inicialmente e depois, progressivamente mais complexas, fechando o ciclo com a especialização em implantodontia. Onde percebi o dito “gargalo”: a prótese sobre implantes, pois em 3 ou 4 horas instalam-se 6, 8 ou mais implantes em uma arcada, por exemplo. Mas quantas sessões depois exigirá a conclusão da reabilitação até instalar as próteses definitivas sobre estes implantes?! Além disso, o fascínio está lá também! Segui para o mestrado, onde entendi a importância do embasamento e da pesquisa científica – a luz teórica que guia a prática para a busca da excelência. A importância da oclusão dinâmica no crescimento e desenvolvimento, base do equilíbrio funcional da OFM e da RNO (Reabilitaçao Neuro Oclusal). O estudo da dinâmica dento-alveolar e engrenamento oclusal normais que regem a ortodontia. E o refinadíssimo detalhamento morfológico que exige a reabilitação estética. Tudo para copiar o natural. Então, se você quer melhorar sua carreira, meu amigo, minha amiga tpd, cd, odontólogo, pesquisador, mude o seu paradigma. E siga o caminho do estudo. Por quê?

A mudança de paradigma 

Retornem comigo 130 anos e foquem em um pequeno conjunto de ilhas que formam um arquipélago no extremo oriente, chamado Japão. Então um país completamente agrícola e despojado de quase todos os recursos naturais. Porém, com um povo que preserva uma cultura milenar e uma disciplina admirável. Um jovem imperador de nome Meiji olhou para o ocidente e sonhou com a realização de todo o potencial de seu humilde porém determinado povo em uma nação modernizada, industrializada e em igualdade com os melhores países do restante do mundo. O caminho foi: educação. Não foi fácil, nem imediato, mas em uma geração eles conseguiram! Para sempre mudaram o destino de sua nação, e surgia ali a potência mundial (que sobreviveu a 2 guerras mundiais) e hoje, corretamente orientado, é reconhecidamente um dos países mais avançados do mundo. Que contribui notavelmente com sabedoria e influencia a tecnologia mundial. Mas também a cultura, a culinária, ensinando ainda a importância do equilíbrio e da saúde, respeitando a natureza e as tradições enquanto marcha em direção ao futuro com paz e determinação. Tudo porque mudaram seu paradigma.

Educação é o foco de quem deseja crescer

Assim é a educação continuada que influencia cada vez mais positivamente no seu aperfeiçoamento, seja qual for a área da prótese que lhe atraia. E digo SEU porque ninguém pode tirar isto de você depois de aprendido. Para onde você for, leva consigo. Mas é preciso lhe dizer algumas coisas. Primeiro: quanto mais você estuda mais as informações vão se encaixando e completado o quebra-cabeças, mas com o tempo, porque não é imediato e nem fácil. O que o querido mestre Oshiro sempre disse: “arregaçar as mangas porque exige esforços e sacrifícios também”. Mas como assim? – É o processo de aprendizagem. Lembra a primeira vez que você trabalhou com cera? Se queimou? Fez a maior bagunça? Até hoje tem cera na sua mesa? (e ao redor também rs?) E o seu primeiro enceramento, saiu de que jeito? Seu primeiro dentinho saiu uma “canjica”? E depois o segundo, terceiro, décimo, também? (risos) Pois, então, somos dois. Até que muitas dezenas de canjicas depois começaram a se parecer com… dentes!! (risos) Isso é normal, tudo é assim na vida. Para aprender a andar uma criança não cansou de cair? De se ajoelhar, se arrastar. Aí engatinhar, cambalear? – Um passo de cada vez. E algumas delas não se tornaram atletas de alta performance? Então qual é o segredo? – Sorte? Acaso? Não. O segredo é a persistência, a repetição.

Persistir é o verbo

Se vale a pena? Com certeza! Sou exemplo disso. Sempre busquei cursos que aliassem parte técnica e acadêmica. Vim fazendo cursos de prótese no decorrer da formação, cursos de placas Hawley, bionatores de Balters, outros de Bimler, Klammt e SNs, RNO de Pedro Planas. [Pasmem, tive que compreender relação entre trajetórias condilares e inclinações cuspídicas em montagens equilibradas bibalanceadas com dentes de estoque em articulador semi ajustável. Nossa, como apanhei. Principalmente quando o professor ia la, olhava o balanceamento duramente conseguido, invertia as trajetórias do articulador, me entregava de volta “ótimo, agora balanceie de novo” rs] O segredo? Persistir, repetir, repetir…persistir até obter domínio. Seu primeiro grampo ortodôntico saiu uma minhoca? Cansou de furar os dedos? Seu arco deveria plantar na mesa mas parecia uma mola disforme? Ficou todo vincado? Você então mudou de estratégia e tentou consertar, dobrar, desdobrar, dobrar , desdobrar…..até ficar todo marcado e “mordido”? (ou até quebrar, dependendo do fio ortodôntico). Foi este caminho, este processo de aprendizado que me permite executar hoje um ajuste clínico em um modelador elástico Bimler (um AOF, bimaxilar quase todo composto por 8 a 10 ou mais fios ortodônticos variando entre 0.6 a 0.9 mm, originalmente) ou SN em segundos. Sem desequilibrar todo o AOF. Ou realizar um ajuste de pistas em dispositivos Planas (duas placas ortopédicas acrílicas com 4 pistas indiretas 2 superiores e 2 inferiores por palatino – pequenas porções de um desgaste de Patterson). Ou ainda diagnosticar clinicamente uma falsa mésioclusão
(Classe “III”, progenia ou avanço mandibular inadequado) ou látero-oclusão (mordida “cruzada” ou desvio lateral mandibular anormal). Ou seja, domínio de materiais e técnicas, aperfeiçoamento do diagnóstico e do raciocínio lógico.

Palestrante pelo CROSP – em São Paulo

Um trabalho construído nos detalhes – coragem para enfrentar os seus pontos fracos

Daí você começa a prestar mais atenção aos detalhes. E a prótese dentária, assim como a odontologia, é uma profissão de detalhes. Você precisa se dedicar com atenção em todas as fases. Sabe aquele jeitinho que você deu para ganhar tempo? – É possível fazer isso com embasamento, sem prejudicar o resultado final. Mas sem base científica é provável que você tenha a sua peça reprovada. Toda atenção é necessária para garantir a precisão. Porque a prótese dentária ou buco maxilar é indireta, feita fora da boca, e trabalha compensando pequenas distorções durante todo o processo. Sem precisão não irá se adaptar perfeitamente depois. Por isso é muito importante prestar atenção aos processos envolvidos para detectar um erro, entendendo o todo, compreendendo todas as fases envolvidas, desde a moldagem no cirurgião-dentista. Você vai se especializar em algumas áreas, mas precisa entender o todo.

Em conjunto fica muito mais fácil 

Quanto mais você estuda, mais vê o quanto falta aprender. Mas você vai aprender. Não é questão de quando, mas sim de quantas repetições fizer até compreender os processos envolvidos e daí atingir a perfeição. Ou entregar da melhor maneira que você puder fazer, ou seja, cultivado com Amor. É isso que nos guia, inclusive quando as coisas mudam, como a fase que estamos passando. Tenha uma certeza, tudo irá passar, porque após a tormenta sempre vem a calmaria. É neste momento  que muito ajuda o Amor à Profissão. A dedicação, persistência, o embasamento científico, tudo isso unido à Fé, e à esperança vivas no seu coração. Isso se torna mais possível em grupo. Fazer parte de um grupo de pessoas engajadas, que querem o mesmo que você e compartilham boas informações. Então invista em você, venha aperfeiçoar-se na APDESPBR, mude o seu paradigma hoje. Prepare-se para a adaptação, para o novo normal que virá. E altere também o rumo de sua vida para sempre. Um grande, forte e afetuoso abraço. Qualquer dúvida, estou à disposição.

Deixar um comentário