APDESPbr - O CANAL DA PRÓTESE ODONTOLÓGICA BRASILEIRA

Maquiagem dental em resina composta: do planejamento digital à aplicação de pigmento em peças fresadas

Desde coroas dentais a próteses totais, tudo pode ser feito no sistema CAD/CAM. Já é de conhecimento geral que esse fluxo digital facilita significativamente a produtividade dos laboratórios de prótese dentária. Entretanto, é importante ressaltarmos o quanto a personalização dos trabalhos também pode ser favorecida. Esse é o caso, por exemplo, da maquiagem em resina composta, assunto que você acompanha passo a passo ao longo deste texto.

O sistema CAD/CAM possibilita diversas opções de trabalho, como já mostramos nesta matéria. Agora, veremos a influência do processo de planejamento digital na aplicação da maquiagem em dentes usinados com resina composta. 

O tema foi apresentado pelo técnico em prótese dentária e cirurgião-dentista Fernando Feitosa, na aula transmitida ao vivo na sede da APDESPBR. Trazendo detalhes sobre o procedimento, ele também mostrou como fazer a aplicação da pigmentação, uma das responsáveis por entregar profundidade e naturalidade às próteses dentárias fresadas. 

 

O início no CAD/CAM: o que é preciso estar atento?

Antes de iniciar a confecção da prótese dentária, é importante lembrar que todo o processo deve contribuir para garantir também funcionalidade ao paciente. Afinal, uma reabilitação oral completa precisa assegurar estética e funcionalidade. 

“Com esse método, buscamos trabalhar a oclusão e deixar a prótese dentária o mais parecida possível com um dente de verdade.” (Fernando Feitosa)

Portanto, após o escaneamento dos dentes, começa o processo de compreender os pontos de contato oclusal e toda a anatomia da boca do paciente. A partir disso, são dados os primeiros passos para o desenvolvimento dos sulcos, fundamentais para criar a aparência de profundidade.

 

Neste ponto, Fernando explica que gosta de começar a criar a texturização e os sulcos do dente no planejamento digital. Posteriormente, com a aplicação dos pigmentos na maquiagem, esses pontos serão melhor destacados.

Após o planejamento, a imagem é enviada ao CAD/CAM e o modelo é impresso. “Nesse momento, checamos as áreas de contato e as áreas interoclusais”, explica o TPD. O resultado entregue do centro de usinagem é um dente detalhado, mas sem profundidade ou naturalidade, conforme abaixo:

Peça fresada preparada para maquiagem dental
Dente logo após a usinagem

Uma estética natural com resina composta

A resina composta apresenta bons resultados em termos de resistência, o que faz com que seja considerada um grande avanço em questão de restauração. Entretanto, para entregar uma prótese dentária que ofereça uma reabilitação oral efetiva, é preciso assegurar também uma estética natural. Nesse ponto, inicia-se o processo de pigmentação da peça, responsável por garantir uma estética harmonizada e similar a de um dente real. 

“Se você tem um dente muito branco, por mais profundo que seja o sulco, ele vai estar espelhando luz. Então, se não tiver pigmentação no centro, a luz não vai ser absorvida e vai causar a sensação de falta de profundidade e naturalidade.” (Fernando Feitosa)

Portanto, a maquiagem é fundamental para ressaltar características importantes do dente. Mas para entregar um resultado efetivo, o protético precisa saber como aplicar cada pigmento. Durante a aula, Fernando mostrou o passo a passo de como faz essa aplicação na rotina laboratorial em sua clínica odontológica, e vamos acompanhar nos próximos parágrafos.

Sulcamento e polimento: o preparo para a maquiagem em peças fresadas

Para exemplificar o processo, Fernando utilizou um dente usinado em Grandio blocs B1 LT. Sobre a ferramenta usada para o desgaste das rebarbas, afirmou que usa brocas para dissilicato de lítio, e explicou: “Eu utilizava brocas diamantadas ou multilaminadas em resina composta. Mas como a resina composta é um monômero misturado com cerâmica triturada, quando eu utilizo uma multilaminada, é difícil deixá-la lisa.”

Brocas para dissilicato de lítio em peças fresadas
Desgaste das rebarbas com brocas para dissilicato de lítio

Para o sulcamento, o TPD utiliza a broca 699 e, com um disco diamantado, afina a ferramenta para que fique com três ou quatro faces. Veja abaixo como ela fica após o afinamento:

Broca 699 para sulcamento de peças fresadas
Broca 699 afinada com disco diamantado

A partir disso, inicia a criação dos sulcos mésio-distais. Nesse processo, na união entre vestibular e mésio-distal, cria-se um desenho que Feitosa explica ser a estrela da marca Mercedes. Já na união entre mésio-distal e lingual, é desenhado algo similar a uma gaivota, ou um V mais aberto. O resultado deve ser como o da foto abaixo:

Sulcamento em peças fresadas
Resultado das peças fresadas após o sulcamento

O próximo passo é polir a peça com uma escova de carbeto de silício. Nesta etapa, o TPD utiliza a amarela, indicada para resinas, e a vermelha, indicada para cerâmicas. A ideia é polir tanto a parte que foi sulcada quanto a que foi desgastada no exterior, deixando a peça pronta para receber a maquiagem. “Como a vermelha é para cerâmica, não podemos forçar muito. Depois, passamos a amarela para alcançar melhor os sulcos”, explica.

Escova de carbeto de silício vermelha para cerâmicas
Polimento da peça com escova de carbeto de silício vermelha

Aplicação da maquiagem em resina composta

Para dar início à maquiagem, Fernando utiliza o pigmento laranja na região central, a forma mais ampla do sulco. “Vou subindo um pouco nas vertentes triturantes. Essa pigmentação vai dar profundidade ao dente”, explica. À cada aplicação de cor, o TPD faz a fotopolimerização para fixar. 

Maquiagem dental em resina composta
Aplicação do pigmento laranja na região central

Também é possível fazer a cromatização nas vestibulares, caso necessário. Para isso, aplica-se o pigmento laranja na cervical, “esfumando” para que a cor fique sutil. Na incisal, Fernando utiliza o azul, tanto na vertente lisa quanto na triturante. Essa pigmentação dará o efeito natural que o dente precisa. 

Maquiagem dental em resina composta
Aplicação de pigmentos para cromatização das vestibulares

“A naturalidade está em cor, forma e textura. Quando aplicada corretamente, a maquiagem pode entregar tudo isso.” (Fernando Feitosa)

Uma outra dica é fazer uma mistura de cores. Para aplicar nas extremidades em volta do sulco, Fernando junta os pigmentos laranja e branco opaco para formar um creme. Com isso, o objetivo é, além de dar profundidade, gerar um pouco de opacidade. 

Para o toque final na aplicação da maquiagem, aplica-se o marrom na união entre os sulcos principais. Apesar de ser em pouca quantidade, esse pigmento fará uma grande diferença na naturalidade e harmonia do dente. 

Maquiagem dental em resina composta
Finalização da maquiagem com pigmento marrom

Encerrando a etapa de maquiagem, Fernando imerge a peça em gel de glicerina, para evitar que tenha contato com oxigênio e afete a cromatização. Depois, o último passo é fotopolimerizar novamente. 

Para ter mais detalhes sobre esse processo, te convidamos a consultar nossos planos de associação e assistir à aula completa! Também estamos conectados com você através das redes sociais (@apdespbr e /apdespbr) e do Telegram. Assim, podemos caminhar juntos para expandir o conhecimento e exaltar trabalhos incríveis com próteses dentárias no Brasil! E então, vamos lá? 

Redação Canal da Prótrese

Redação Canal da Prótrese

Deixar um comentário