APDESPbr - O CANAL DA PRÓTESE ODONTOLÓGICA BRASILEIRA

Reabilitação com prótese total: a importância e as regras do ajuste oclusal

Nos últimos anos, o avanço tecnológico tem proporcionado soluções facilitadoras na odontologia, impactando diretamente a qualidade de vida dos pacientes. A reabilitação com prótese total também se beneficiou dessa evolução, com melhorias em materiais e equipamentos de trabalho. O que possibilita que clínicas odontológicas e laboratórios de prótese dentária proporcionem um tratamento reabilitador mais eficaz e satisfatório.

Para que o resultado seja completo, entregar uma estética agradável não pode ser o único objetivo na confecção de uma prótese total. Ao contrário, a utilização dessa prótese vai gerar um impacto orgânico importante, por isso deve ser confeccionada com atenção à sua funcionalidade, ou seja, à mastigação, deglutição e fonética que proporcione conforto e satisfação em todos os momentos.

Essas características podem ser formadas por um trabalho protético que envolva uma série de processos fundamentais, os quais veremos nesta matéria. Um dos principais é o ajuste oclusal, conforme apresentado pela tecnóloga em prótese dental, Lucimara Sertório, na aula ao vivo transmitida aos sócios APDESPBR.

 

Passos importantes até chegar ao ajuste oclusal

Em uma reabilitação oral com prótese total o ajuste oclusal precisa de grande atenção. Afinal, é ele que possibilita movimentos de lateralidade e protrusão, por exemplo – essenciais para um tratamento funcional. Entretanto, esta é uma das últimas etapas deste importante trabalho de um laboratório de prótese dentária. 

Para que o processo de ajuste oclusal seja realizado com mais eficiência, a atenção nos procedimentos que o antecedem também é indispensável.

Antes, Lucimara apresentou todo o processo e pontuou questões importantes para o bom resultado da confecção desta prótese dentária. Entre eles, afirma que um dos aspectos principais são os equipamentos de trabalho. Na confecção de uma prótese total, por exemplo, a escolha dos articuladores ideais pode fazer toda a diferença. É preciso levar em consideração que, neste caso, o paciente está em busca de uma reabilitação completa. Ou seja, o articulador precisa simular corretamente toda a estrutura bucal de um ser humano.

 

As próteses totais têm o objetivo de reabilitar. Precisamos devolver estética, fonética e função mastigatória. Então, devemos entender que em prótese total é preciso utilizar articuladores, no mínimo, semi-ajustáveis. (Lucimara Sertório)

No processo de como obter um ajuste oclusal eficaz, existe ainda um outro ponto fundamental, muito comentado quando o assunto é confecção de próteses: a integração clínica-laboratorial entre CD e TPD. Para Lucimara, a entrega de um trabalho protético reabilitador começa nas clínicas odontológicas, quando o cirurgião-dentista faz as análises corretas para entregar modelos de trabalho bem qualificados. A partir disso, é possível iniciar o plano de orientação, outra parte muito importante para ter sucesso no resultado funcional. 

As fases clínicas têm grande influência no resultado

O trabalho em conjunto entre cirurgião-dentista e técnico em prótese dentária começa assim que o paciente se apresenta à clínica odontológica. As fases clínicas, que envolvem procedimentos como tomadas de dimensão vertical, plano de Camper e plano de Fox, têm uma grande influência nos roletes que serão entregues ao TPD.

A realização de todas essas etapas irá garantir que o técnico possa ter noção de características importantes na confecção da prótese total. Isso assegura maior funcionalidade da peça protética, com a lateralidade e a protrusão correta.

Por outro lado, caso as fases clínicas não sejam efetuadas da maneira certa, a etapa de ajuste oclusal tende a não ser tão assertiva. Com isso, as próteses podem gerar instabilidade e desconforto ao paciente, causando retrabalhos que poderiam ser evitados. Portanto, uma das sugestões da TPD Lucimara Sertório é contar com um profissional que realize as fases clínicas da forma certa, facilitando o trabalho em conjunto.

Como garantir a oclusão ideal em uma reabilitação com prótese total?

Uma oclusão balanceada é a principal responsável pela estabilidade de uma prótese total, um aspecto que vai garantir a funcionalidade que o paciente precisa no dia a dia. Durante a aula, Lucimara apresentou o conceito de oclusão balanceada bilateral, elaborado por Joseph S. Landa, em 1962.

A oclusão balanceada é uma relação harmoniosa da superfície oclusal e incisal em todos os dentes, em relação cêntrica e excêntrica, durante a função de mastigação e deglutição. (Lucimara Sertório)

Então, é possível dizer que uma oclusão balanceada bilateral é fundamental para uma prótese total que apresenta estabilidade e retenção, eficiência mastigatória e suporte, entre diversos outros benefícios ao paciente. Entretanto, para que ela seja realizada, é preciso que haja, durante a montagem, o cuidado com as curvas de compensação.

As curvas individuais de compensação foram analisadas por Carl Christensen em 1905. Elas conceituam a ideia de que não há como ter uma boa lateralidade e protrusão com dentes completamente retos. Portanto, para que haja a oclusão balanceada, é importante levar em consideração as curvas de Monson e Spee durante a montagem da prótese total.

Sobre a etapa de montagem, Lucimara apresentou o Sistema de Prótese Biofuncional (BPS). Desenvolvida pela Ivoclar, essa técnica é baseada na análise de modelos, considerando a estrutura anatômica de mandíbula e maxila. 

A análise de modelos nos ajuda a achar a zona neutra e conseguir um equilíbrio na hora de fazer o ajuste oclusal e ter uma prótese equilibrada (Lucimara Sertório)

Portanto, a técnica utilizada na montagem tem influência direta no equilíbrio da peça protética, o que precisa ser sempre analisado no momento da confecção.

Prótese montada. E agora? Ajuste oclusal!

Já com a prótese montada a partir de todos os passos apresentados, a etapa de finalização é o ajuste oclusal. Neste ponto, o primeiro aspecto que precisa de atenção é a qualidade do carbono utilizado para checar onde será feita a alteração. Sobre isso, Lucimara ressalta que o carbono comprado em papelaria não é recomendado. “Precisamos de um carbono odontológico para ter um ponto de oclusão. Então, é preciso selecionar bem”, afirma.

Em quem está trabalhando não se mexe

Essa é a regra apresentada por Lucimara Sertório nesta importante etapa do trabalho. Por isso é o tema desta matéria, dentre tantos os destacados pela técnica nesta aula. Quando falamos de ajuste oclusal é imprescindível alertar que existem pontos que não podem ser alterados no momento do desgaste. Abaixo, veremos quais são esses pontos!

A regra – Cúspides de trabalho e cúspides de balanceio

De acordo com a TPD, os desgastes não podem ser feitos nas cúspides de trabalho, ou seja, as vestibulares dos inferiores e as palatinas dos superiores. Então, os ajustes serão realizados nas cúspides de balanceio, que são as linguais dos inferiores e as vestibulares dos superiores. Para facilitar a compreensão, Lucimara chama as cúspides de trabalho de VIPS, e as de balanceio de LIVS, conforme explicação na foto:

Além dessa regra, que você deve ter decorada se trabalha com prótese total, Sertório lembra que após os desgastes, é sempre fundamental fazer o polimento. Além disso, acrescentou que os ajustes oclusais precisam ser feitos não só com a prótese encerada, mas também acrilizada. Assim, é possível verificar se houve alguma alteração dimensional da resina durante a polimerização, o que pode afetar o resultado do trabalho.

Para uma finalização completa, é importante garantir o equilíbrio oclusal em protrusão e lateralidade também. Afinal, é isso que entrega a funcionalidade ao paciente que busca a reabilitação com prótese total.

Apenas realize o ajuste oclusal se você deseja ser lembrado sempre que tiver essa demanda em uma clínica odontológica

Quando chegar lá, o dentista vai colocar a prótese em boca e vai precisar fazer muito menos ajustes. Esse dentista casa com você. (Lucimara Sertório)

Isso porque o encaixe na boca do paciente estará quase perfeito depois de todos os ajustes realizados previamente no laboratório de prótese dental. Com a prótese total instalada em boca, somando à saliva, bochecha e toda a característica da cavidade oral do paciente, pode ser que o cirurgião-dentista tenha que promover um ou outro ajuste, mas a reputação do trabalho estará garantida. 

Paciente feliz e confiante, dentista satisfeito com a prótese confeccionada para o tratamento reabilitador iniciado e finalizado em sua cadeira. Não pense duas vezes, gerencie seu tempo e sua produção para garantir essa etapa na confecção de uma prótese total e os pedidos não vão parar de chegar. 😉

A prótese total é uma reabilitação oral importante, complexa e transformadora. Para o profissional técnico, é essencial que conheça as etapas fundamentais da confecção dessa prótese dentária. Somente com o conhecimento é possível criar peças protéticas que promovam qualidade de vida ao paciente com a garantia de sua função primordial: mastigatória, fonética e estética. 

Quer assistir à aula na íntegra? Então, consulte nossos planos de associação, caso ainda não faça parte! Para continuar tendo acesso a conteúdos incríveis, nos acompanhe nas redes (@apdespbr e /apdespbr). Também estamos conectados com você através do Telegram, trazendo novidades imperdíveis!

Redação Canal da Prótrese

Deixar um comentário